• Breaking News

    Ansiedade, suas causas e tratamentos

    O que é Ansiedade?


    A ansiedade é uma emoção normal do ser humano, comum ao se enfrentar algum problema no trabalho, antes de uma prova ou diante de decisões difíceis do dia a dia. 


    Porém, a ansiedade excessiva pode se tornar um distúrbio de ansiedade.


    Os sintomas da ansiedade são: pensamentos negativos, preocupação ou medo constante, sensação que algo ruim ocorrerá, tensão, respiração ofegante, palpitação, frequência cardíaca aumentada, pressão arterial elevada, insônia, tensão muscular, sudorese, tremores dores de cabeça e aumento da motilidade intestinal.

    O transtorno de ansiedade tem cura e se detectada inicialmente há possibilidade de tratamento sem a presença de fármacos, porém se essa não for tratada inicialmente os pacientes tendem a desenvolver outros transtornos que poderão levar a necessidade do tratamento farmacológico.

    Transtorno de ansiedade generalizada (TAG)
    O transtorno de ansiedade generalizada (conhecido pela sigla TAG) ocorre quando a ansiedade persiste por longos períodos de tempo e passa a interferir nas atividades. 
    O principal sintoma do quadro é a “preocupação excessiva ou expectativa apreensiva”. 

    Síndrome do pânico
    A síndrome do pânico é um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem crises inesperadas de desespero e medo intenso de que algo ruim aconteça, mesmo que não haja motivo algum para isso ou sinais de perigo iminente.

    Quem sofre do síndrome do pânico sofre crises de medo agudo de modo recorrente e inesperado. Além disso, as crises são seguidas de preocupação persistente com a possibilidade de ter novos ataques e com as consequências desses ataques, seja dificultando a rotina do dia a dia, seja por medo de perder o controle, enlouquecer ou ter um ataque no coração.

    Fobia social
    Esse distúrbio é caracterizado pelo extremo desconforto e pavor com situações sociais como ambientes novos, desconhecidos e cheios de pessoas estranhas; encontros sociais; falar em público; e outras situações do tipo.

    São pessoas que ficam apavoradas com a ideia de ir a uma festa ou a qualquer outro evento social, pessoas que, de tanto medo que sentem, muitas vezes chegam ao ponto de evitar todo e qualquer tipo de contato social. Esse comportamento é característico de um distúrbio conhecido popularmente como fobia social, ou transtorno da ansiedade social.

    A fobia é um medo persistente e irracional de um determinado objeto, animal, atividade ou situação que represente pouco ou nenhum perigo real, mas que, mesmo assim, provoca ansiedade extrema.

    A fobia não segue uma lógica propriamente dita, e a ansiedade nesses casos é incoerente com o perigo real que aquilo representa.

    1. Existem diversos tipos, como:
    2. Claustrofobia - medo de lugares fechados
    3. Aracnofobia - medo de aranhas
    4. Agorafobia - medo de ficar sozinho em lugares amplos ou públicos
    5. Acrofobia - medo de altura
    6. Aicmofobia - medo de agulhas
    7. Catsaridafobia - medo de barata
    8. Coulrofobia - medo de palhaços.
    Ansiedade

    Transtorno obsessivo compulsivo (TOC)
    O transtorno obsessivo-compulsivo, conhecido popularmente pela sigla TOC, é um distúrbio psiquiátrico de ansiedade. Sua principal característica é a presença de crises recorrentes de pensamentos obsessivos, intrusivos e em alguns casos comportamentos compulsivos e repetitivos.

    Analogicamente falando, uma pessoa com TOC é como um disco riscado, que repete sempre o mesmo ponto daquilo que está gravado. Pacientes com este transtorno sofrem com imagens e pensamentos que os invadem insistentemente e, muitas vezes, sem que consiga controlá-los ou bloqueá-los.
    Para essas pessoas, a única forma de controlar esses pensamentos e aliviar ansiedade que eles provocam é por meio de rituais repetitivos, que podem muitas vezes ocupar o dia inteiro e trazer consequências negativas na vida social, profissional e pessoal.

    O transtorno do estresse pós-traumático (TEPT) pode ser definido como um distúrbio da ansiedade caracterizado por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais. Esse quadro ocorre devido à pessoa ter sido vítima ou testemunha de atos violentos ou de situações traumáticas que representaram ameaça à sua vida ou à vida de terceiros.
    Quando ele se recorda do fato, revive o episódio como se estivesse ocorrendo naquele momento e com a mesma sensação de dor e sofrimento vivido na primeira vez. Essa recordação, conhecida como revivescência, desencadeia alterações neurofisiológicas e mentais.


    Tratamento
    O tratamento é feito com psicoterapia e medicamentos, dentre os quais ansiolíticos e antidepressivos. É sempre importante que o paciente consulte um médico, pois esses medicamentos são normalmente controlados.

    É claro que estes medicamentos são muito importantes, mas se forem retirados a ansiedade aparece novamente. É preciso, então, escolher uma psicoterapia para analisar e enfrentar as causas psicológicas deste transtorno.

    A psicoterapia deve ser a prioridade do tratamento. Medicamentos ansiolíticos, sedativos, hipnóticos e antidepressivos são estabilizadores a curto prazo, mas não são as melhores opções para resultados estáveis a longo prazo, podendo causar os problemas que inicialmente se propuseram a solucionar. Síndrome de desuso, reações adversas e a necessidade de abandono são alguns dos desafios enfrentados por pacientes psiquiátricos que utilizam fármacos para o tratamento de ansiedade.

    A terapia cognitivo-comportamental (TCC, REBT), mindfulness, meditação e hipnose são formas de psicoterapia que trazem resultados através de mudanças endógenas, transformando o indivíduo, sua personalidade e quadro psicológico.